Destaque Memórias de Verão

Marta Cardoso tentou matar-se? Eu explico!

FullSizeRender (1)

Boa tarde a todos!

Tendo em conta o reboliço que está a dar um dos vídeos que publiquei aqui no blog, fica o esclarecimento do que aconteceu.

Estas palavras são especialmente para todos aqueles que se preocupam comigo e podem ficar assustados com as manchetes e títulos sensacionalistas que têm corrido (e ainda devem vir a correr) sobre o assunto.

O vídeo foi feito no verão, depois de ouvir o relato de uma amiga cuja sogra ameaça matar-se a toda a hora se não lhe fazem as vontades. Aquilo indignou-me e daí surgiu o vídeo que publiquei.

Ao falar no assunto referi que eu própria já tinha tentado fazer chantagem emocional com os meus pais quando tinha 16 anos…

Eu sempre fui uma excelente aluna, e por isso os meus pais davam-me a liberdade que eu queria. Mas houve uma altura em que eu andava mais distraída (provavelmente com alguma paixoneta por algum rapaz) e descuidei-me com uma disciplina. Tirei negativa! E não tinha como a explicar pois eu sabia que a culpa tinha sido do meu desleixo.

O que é que me passou pela cabeça? Fazer chantagem emocional!

Escolhi uma caixa de analgésicos, li muito bem o panfleto para garantir que aquilo não me ia matar, e tomei a caixa. Assim, quando mostrasse a má nota, a minha mãe não iria ter coragem de me ralhar…

Agora rio-me disto mas não tem piada nenhuma assustar assim uma mãe e arrependo-me. Mas pior do que isso arrependo-me da coragem e egoísmo que tive de magoar assim alguém que eu amava.

Por isso sou pouco tolerante a este tipo de situações. Por isso, e por achar que cada pessoa é responsável por si própria e tem direito a fazer as suas escolhas (e a arcar com as consequências das mesmas). Exceptuando, obviamente, casos pontuais que precisam de intervenção clínica – daqueles em que as pessoas devem ser protegidas delas mesmas. e outros do género.

E foi isto, uma parvoíce de adolescente e nada mais 🙂

E este é o tão falado vídeo:

 

You Might Also Like

5 Comments

  • Reply
    Carlota Joaquina
    19 Março, 2016 at 1:05

    O mais chocante do vídeo não está nisto, visto que foi uma situação que lhe aconteceu e simplesmente a contou (pelo menos para o comum dos mortais que só a conhecem pela tv). O chocante está no facto de dizer que se realmente a pessoa que andava a ameaçar fazê-lo o faz, ainda por cima com a “ajudinha” de alguém “todos temos que morrer, ao menos que seja de uma coisa que se escolheu”….Se acontecesse com algum dos seus mais próximos, tenho certeza que não lhe iria oferecer ajuda e se oferecesse e tal acontecesse, não iria conseguir viver com a sua consciência. Se era um recado particular para a sogra da amiga, dada a situação, não devia generalizar isso num vídeo público.

    • Reply
      Marta Cardoso
      19 Março, 2016 at 3:32

      Olá Carlota.
      A sua opinião é legítima. Compreendo e respeito.
      Obrigada por tê-la partilhado.
      Cumprimentos
      Marta

  • Reply
    Lino M S Conceição
    19 Março, 2016 at 19:55

    Concordo plenamente com o seu raciocínio Marta. O suicídio é um tema polémico… e divide muitas gente nas suas opiniões, por mim sublinho todas as palavras que usou, pois já fui vítima dessa chantagem e ofereci essa “ajuda”
    Ao telefone (durante o regresso a casa pela travessia da Ponte 25 de Abril):
    -“Eu paro o carro na Ponte e atiro-me lá para baixo!”
    – “Espera!”- respondi -“Dá-me 5 minutinhos para eu chegar aí e empurro-te.”
    Nunca mais se usou deste jogo psicológico e morreu anos mais tarde por outro tipo de suicídio, lento e progressivo – o uso do tabaco.

  • Reply
    Cris Santos
    20 Março, 2016 at 14:36

    Marta,
    Sempre achei que não tinha o perfil que se exige para o big brother: é inteligente e tem inteligência emocional… E personifica, muitas vezes, a assertividade. Por isso, recomendo-lhe que retire este video, cujo conteúdo tem contornos que, com toda a certeza, não são os almejados!

    • Reply
      Marta Cardoso
      21 Março, 2016 at 2:16

      Olá Cris.
      Agradeço-lhe a atenção e preocupação.
      Respeito todas as opiniões, quer concorde com elas ou não. Da mesma forma, tenho as minhas e não espero que todos concordem com elas.
      Mas isso não é o meu objetivo nem me amedronta.Cada um é responsável por si próprio e pelos seus atos, e deve ser capaz de assumir as consequências. Eu assumo as minhas.
      Grata.
      Marta

    Leave a Reply