A Quinta

Pedro analisa a Quinta: “Marta e Gonçalo acrescentaram ZERO ao programa” e Kelly devia vencer

 pedro

Um ano que termina, um ciclo que encerra, um novo vencedor ou vencedora que se consagra.
Foram assim apresentados na gala de Domingo os quatro finalistas da Quinta mais famosa do país.
Do lote de cinco, Santiago, “morre” assim na praia.
santiago
Com uma passagem um tanto ou quanto controversa na Quinta, no meio de paixões e discussões, nem a protecção de Merche enquanto concorrente ou o romance com Romana, foram factores que levaram o candidato à final, não reunindo assim o apoio dos portugueses para integrar os quatro magníficos.
No meio de tanta prova de fogo e de tanta avaliação das patroas, cabe-me a mim enquanto espectador e comentador fazer a minha avaliação deste painel de finalistas. 
Se eu faria alguma troca? Faria sem sombra de duvida! Acho que o ex-agricultor Saúl e a ex-patroa Érica, seriam bons finalistas.
Por quem trocava? Marta Cruz e Gonçalo.
E vamos agora às justificações. Porquê o Saúl?
saul
Exímio concorrente, trabalhador, assertivo, participativo, humilde, uma boa reunião de factores que faziam do ex-concorrente um bom finalista.
O porquê da escolha Érica, pois bem, como eu já disse, o jogo da madeirense é uma faca de dois gumes.
E há que saber distinguir aqui duas coisas, a pessoa enquanto jogador\a e a pessoa fora do jogo.
E que a Érica na minha opinião é uma boa jogadora ninguém pode negar.
patroas
E quando a Teresa perguntou no palheiro quem tinha sido o motor da quinta, e a mesma levantou o braço, eu partilho da mesma opinião!
Sim, Érica foi de facto um dos motores da Quinta, tanto como patroa, como concorrente.
E os bons concorrentes devem ser premiados, logo, incluía a Érica, no painel de finalistas.
Retirava a Marta e o Gonçalo pelo facto de, ao longo do jogo, terem acrescentado ZERO ao programa.
martaginçalo
Um romance meio forçado – uns dizem que combinado outros não – mas o que é facto é que durante três meses destes dois não vi nada de novo: Lamurias, queixumes, e pouco mais.
Não mexeram com a Quinta a nenhum nível, jogaram os dois, e o jogo que jogaram era um jogo cansado, se é que se pode chamar de jogo.
Quanto à Romana, não foi um percurso fácil o da cantora.
romana
Apontada, por vezes incompreendida, acusada, mas que conseguiu, no meio desta travessia rural, dar a volta por cima.
Mostrou ser lutadora e resistente ao ambiente circundante que se fazia viver na Quinta.
Não teve medo de arriscar, de se expor e saber o que daí poderia vir. Bem conseguido este lugar. Parabéns Romana.
Kelly Medeiros, ora aqui está a minha favorita do grupo de finalistas.
kelly
Desde muito cedo que vi que a Kelly tinha todo o potencial de finalista e até arriscaria, de vencedora mesmo. Sempre vi uma Kelly equilibrada, trabalhadora, empenhada, cumpridora das tarefas, bem disposta, tal como Saúl, assertiva, brincando e dando sempre o seu melhor ao jogo.
A “boa vibe” da brasileira é verdadeiramente contagiante e na minha opinião acabou por cativar a opinião dos portugueses. Da maior parte das vezes que esteve nomeada, foi a candidata que sempre reuniu o maior apoio nas votações.
Se o prémio seria bem entregue à Kelly? Sem sombra de dúvida.
Eu estou a torcer por ela, acho, que é a justa vencedora da Quinta, pois reúne todas as condições e todo o mérito de vencedora. Apesar de ter “aterrado” na Quinta sem conhecer ninguém conseguiu reverter a situação a seu favor, dando a conhecer-se a um país e a um grupo de concorrentes que acabaram por se render a esta fresca caipirinha que chegou do outro lado do Atlântico.
Esta foi a minha última crónica de 2015
A todos vocês, seguidores do ZOOMIN e da Quinta, o meu muito obrigado por terem acompanhado o meu trabalho que, com tanto carinho, faço para vocês.
À minha querida Marta Cardoso, obrigado por este convite, por me ter dado a oportunidade de fazer algo que faço com tanto gosto e com tanta entrega.
Aos meus colegas de tertúlias e de crónicas, Alexandra Ferreira, Fany Rodrigues e Dr. Quintino Aires, foi um gosto ter entrado nesta aventura com vocês ao meu lado.
Aos leitores do ZOOMIN ficam os meus sinceros desejos de um ano de 2016 cheio de coisas boas, nunca desistam de vocês, dos vossos sonhos, dos vossos objectivos. Sejam fieis a vocês mesmo, sejam ambiciosos, não tenham receio de querer mais, desde que não passem por cima de ninguém, a nossa humildade e dignidade não tem preço.
A todos vocês mais uma vez, um grande muito obrigado, e um até breve.
Texto de Pedro Capitão para o Zoom In

You Might Also Like

2 Comments

  • Reply
    Monica
    28 Dezembro, 2015 at 22:06

    Subscrevo Pedro, tirando somente o destaque à Romana que para mim não passa de uma mulher sem amor próprio e com alguns problemas psicológicos, um comportamento estranho que deixa me duvidosa na sua idade :/ de resto foi top, desejo do fundo do coração um 2016 cheio de coisas boas e que te traga mais uma vez à TVI como comentador, pois acho que és uma mais valia perante toda a sabedoria que tens.

  • Reply
    Rosa Silva
    22 Março, 2016 at 21:35

    De facto, os preferidos deste senhor acrescentaram muito ao programa! O Saúl e a Kelly podem ter todas as qualidades do mundo, que nós não íamos dar conta, porque simplesmente não se revelaram. Sim, são trabalhadores, mas outros fizeram trabalhos mais pesados e não ganharam a fama! E, digam-me, por favor, porque eu não sou experiente em R. Shows: é de Kellys e de Sauis, que vivem estes programas? Pois, digo-lhe, Sr. Pedro Capitão, foi o primeiro Rs que eu assisti e foi pela Marta e o Gonçalo que me deitei altas horas, que me ri, que chorei, que me zanguei! Quando as câmaras focavam os seus preferidos eu mudava de canal, porque me aborreciam e eu ligo a televisão para me entreter ou ver notícias. Então, a Érica e a Sofia que tive o desprazer de conhecer, malignas e intriguistas como nunca tinha visto ninguém, nem vale a pena dizer mais nada…

  • Leave a Reply